Spleetercore: O Primeiro Álbum do Mundo totalmente Produzido através da Inteligência Artificial

Conheça o primeiro álbum do mundo totalmente produzido com samples extraídos por Inteligência Artificial.

spleetercore.jpg

O Moises “nasceu” no final de 2019 e já reuniu mais de meio milhão de usuários apaixonados mundo afora. Depois de conquistar os entusiastas de karaokê, professores de música e estudantes, o Moises também se tornou a plataforma preferida para quem quer fazer remixes e produzir músicas novas.

Um exemplo disso é projeto da banda X-spleet /// Spleetercore, do Reino Unido. Eles criaram um álbum inteiro feito apenas com samples extraídos por Inteligência Artificial no Moises. Conversamos com o idealizador da X-spleet /// Spleetercore, para conhecer mais sobre a banda e o álbum. Confira na íntegra:

Moises: Porque esse nome e como você o criou?

São músicas feitas usando sons revelados pelo Spleeter. Eu estava dividido entre o Spleetercore e o X-spleet para a música e um pseudônimo, e não consegui decidir. Então eu estou usando os dois - para ambos.

Moises: Vimos vários colaboradores no Volume 1. Como você descreveria sua iniciativa musical? É um grupo, artista solo?

Primeiro e acima de tudo, sou criador de música e estou estudando há anos, então, quando descobri sobre o Spleeter/Moises, mal podia esperar para abrir o máximo de músicas possível e começar a usar os stems para brincar.

Também me tornei professor recentemente e leciono algumas aulas de música em uma faculdade. Os contribuintes do Volume 1 do Spleetercore são todos estudantes que se entusiasmaram com o experimento de separar músicas através do Moises e depois reuni-las novamente em ordem errada.

Moises: Como o projeto começou e como você colabora?

Pedi aos alunos que cada um selecionasse 5 músicas e depois as separassem utilizando o Moises/Spleeter e criassem uma nova obra usando uma faixa de cada uma das 5 músicas. Por exemplo, usando o vocal da Beyoncé com bateria de uma música do Foo Fighters e baixo de uma música do David Bowie.

O próximo estágio foi resistir ao desejo de tentar fazer com que todas essas faixas se encaixassem - alterando o tom e a velocidade, etc. -, e apenas deixá-las tocar juntas para ouvir como era o som... e, obviamente, parece insano!

A reação ao ouvir essas faixas juntas pela primeira vez foi emocionante e desorientadora. Eu realmente me senti muito estranho depois. Os alunos adoraram (acho que principalmente por serem adolescentes, e a maioria dos adolescentes gosta de coisas absurdas). Eu considerei abandonar o projeto porque pensei que poderíamos ter causado algum tipo de dano irreparável ao universo, mas depois verifiquei e o universo estava bem, então nós continuamos.

Eu acho que esse tipo de uso “indevido” foi um importante ponto de partida para a nova tecnologia. Alguém tinha que fazer isso.

Moises: O que te fez entrar para o mundo da música? Compartilhe conosco mais sobre sua formação (quais instrumentos você toca, etc.).

Eu entrei na música porque queria fazer parte de uma banda - aprendi sozinho um pouco, mas depois estudei música na faculdade e na universidade. Toco instrumentos e músicas de maneira tradicional, mas agora prefiro usar um computador para fazer a maior parte. Isso significa que eu posso comer ao mesmo tempo.

Moises: Quem te inspirou a fazer música? Algum artista ou familiar?

Eu acho que o Nirvana foi a primeira banda que me fez querer tocar algum instrumento. Eu fiz um tributo no Spleetercore 2 fazendo um remix de 'Hairspray Queen'. Chama-se Digital Hairspray, e não é tão bom quanto o original. Eu só queria a voz de Kurt Cobain daquela música específica, que eu escondi em outras composições.

Moises: Como é o seu processo criativo? Compartilhe com a gente o que você quis dizer quando você menciona em seu release que aplica uma roleta russa musical.

Eu acho que só estou realmente interessado em novidades. Quero ouvir coisas que nunca ouvi antes, então usarei qualquer processo para tentar encontrar isso. Os primeiros experimentos do Spleetercore são apenas uma maneira de usar esse algoritmo para encontrar novos sons e criar novas músicas. Tenho certeza de que encontraremos outras maneiras de ir além, mas, por enquanto, eu amo o som de todas essas faixas desiguais, todas tocando ao mesmo tempo e lutando pela sua atenção, é um pouco como um Jazz livre.

A idéia da roleta russa musical é apenas uma extensão disso, mas sem o esforço de separar todos esses pedaços de música e reuni-los na ordem errada. Em vez disso, por que não ter um aplicativo conectado a um banco de dados de música que possa fazer isso por mim, selecionando trechos pré-programados para tocar ao mesmo tempo? Música no estilo “Frankenstein”. Talvez vocês possam incorporar isso em uma atualização do Moises? Tenho certeza de que não sou o único “doido” que adoraria que isso acontecesse.

Moises: Como você descreveria a música que você cria?

Alguns “spleetercore” devem ser perturbadores, estranhos e novos. Outros devem ser bonitos, assustadores e únicos. Também podem tornar o impossível possível.

No momento, porém, por ainda estar “engatinhando”, ele pode ser simplesmente descrito como um pouco curto e um pouco estranho, como o Tom Cruise.

Moises: Você acha que sua música se encaixa em qualquer gênero musical? Você mencionou o gênero experimental/ruído, como você descreveria sua música?

Quero que ela seja do seu próprio gênero, com a única regra de criar coisas novas a partir das partes extraídas de outras músicas - nenhum outro instrumento é permitido.

É reciclar, não é? Ou reaproveitar, desconstruir... no final é uma espécie de autofagia do pop (...).

Moises: Com quem você mais gostaria de colaborar?

Quero que o gênero do Spleetercore continue a crescer, então gostaria de colaborar com quem quiser criar novas músicas usando as partes desmontadas da música de outras pessoas.

Eu gostaria que o Spleetercore fosse um “rótulo” e um ponto central para a nova onda de música auxiliada por Inteligência Artificial.

Moises: Parece que você está liderando uma nova geração de composição e música criativa no geral. Como você visualiza o futuro da música pós Inteligência Artificial?

Eu acho que isso vai mudar muitas coisas, mas não acho que os músicos devam se preocupar, isso não os substituirá totalmente ou os seus métodos. Você nunca verá a Inteligência Artificial reproduzir uma versão decepcionante de 'Sweet Home Alabama' tocada em um bar para 3 pessoas que não estão escutando. Isso é estritamente coisa de músicos humanos com sonhos humanos, e eles não devem ser “infectados” pela Inteligência Artificial ou por qualquer outro tipo de inteligência.

Moises: O que devemos esperar nos próximos anos e como isso pode impactar a indústria da música na sua opinião?

O projeto Jukebox parece um aplicativo fascinante. Ter qualquer artista cantando qualquer música em qualquer estilo... isso provavelmente vai alimentar a indústria de shows de hologramas. Dessa forma, no dia que você estiver pronto para assistir o holograma da Amy Winehouse, "ela" vai poder aceitar pedidos da plateia. Fora isso, não quero compartilhar nenhuma das minhas idéias publicamente até ter falado com Elon Musk e Grimes.

x-spleet-spleetercore-vol-1-.jpg

Moises: Parece que a masterização via I.A. está em ascensão. Você acredita que um dia também teremos mixagem feita com IA?

Na minha opinião, não sei se é uma boa ideia. Mixagem e masterização são formas de arte por si só, e não é algo que você deva passar por algum tipo de máquina de vitória instantânea. Devemos nos concentrar em fazer com que a IA traga novas formas e novas maneiras de interagir/tocar e ouvir, em vez de tornar redundantes os engenheiros de mixagem.

Moises: Como você descreveria para o público em geral o que o Moises faz e permite fazer?

Eu o descreveria como uma interface fácil de usar, que trará uma nova forma de fazer samples de músicas. Eu acho que isso é importante.

Seria legal ver alguns recursos extras adicionados, como mudança de tonalidade e looping para cada faixa, e se você adicionar isso a um aspecto de 'mix e match' de um banco de dados, você criou efetivamente um DAW. Isso também ajudará pessoas bêbadas a fazer karaokê no transporte público.

Moises: Como você acha que a IA impactou a indústria da música?

No momento está ajudando principalmente a organizar playlists e recomendações para as pessoas. Acho que esse também era um trabalho que poderíamos ter deixado para os humanos - DJs, gravadoras, escritores e amigos são sempre melhores curadores, e sinto falta deles. Acho que a forma como é usado no momento é impulsionada pela demanda corporativa por dados. Se você tiver acesso aos hábitos do que as pessoas estão ouvindo, pode tentar usar essas informações para vender-lhes um telefone ou cortinas de chuveiro ou outras besteiras. Posso estar sendo cínico demais, mas acho que é verdade. É totalmente chato, não é? É bom que a Deezer tenha divulgado isso como um código-fonte aberto - para ver o que as pessoas podem fazer com isso. Espero que possamos desempenhar um pequeno papel na realização de seu potencial como força criativa, em vez de outra tentativa enfadonha de ganhar mais dinheiro ou mais dados por dinheiro ou mais dinheiro por dados.

Moises: Se você pudesse mudar alguma coisa na indústria, o que seria?

Eu definiria um limite de tempo para a disponibilidade de músicas em serviços de streaming. Depois de um mês, você não terá mais a música para manter em sua lista de reprodução. Em vez disso, o serviço de streaming deve fornecer um link onde você paga ao artista diretamente pela música. Obviamente, isso só funcionaria para artistas vivos, mas são eles que precisam do dinheiro - os serviços de streaming ainda gerariam algum dinheiro, mas estariam apenas hospedando e distribuindo, em vez de fingir que toda a música lhes pertence.

Moises: Parece que você vai lançar o volume 2 em breve, como você descreveria a música que faz e o que devemos esperar em comparação com o volume 1?

O Spleetercore 2 é muito menos angustiante do que o volume 1. É muito mais musical. É como um DJ de inteligência artificial e busca de músicas, navegando rapidamente entre uma confusão de percalços, conexões ruins e loops estranhos.

Acho que é uma boa demonstração do que é possível com o Moises/Spleeter, ou seja, combinar partes da música de diferentes gêneros e diferentes épocas. Desta vez, eu tentei algumas técnicas diferentes ao invés de apenas juntar coisas que, obviamente, soam estranhas (embora isso ainda tenha acontecido). Tentei juntar coisas que só funcionariam com alguns ajustes. Tentei encaixar músicas que pudessem ter uma letra em comum (como RESPECT da Aretha e Walk do Pantera na faixa 8). Eu tentei colocar os vocais do original com a música de uma versão cover (faixa 3), existem muitas outras conexões musicais também, mas elas podem significar apenas algo para mim. Ainda é uma pequena investigação sobre o potencial que foi criado por este software, e estou apenas começando.

Moises: Com quem você colaborou no segundo volume e como essas pessoas contribuíram para o trabalho final?

Devido ao lockdown, fiz isso sozinho. E também, fazer com que os alunos participassem disso provavelmente foi algo único, talvez eu devesse tentar ensinar-lhes algo útil.

Moises: Você pode compartilhar mais sobre seu processo de mixagem e masterização para o volume 2?

Usei o Ableton para afinar, fazer um loop, arranjos e esticar o tempo dos samples, e usei alguns efeitos VST, como reverb, eco e EQ. Acho que muitos produtores se recusam a trabalhar com a saída do Spleeter no momento por causa dos artefatos audíveis, mas eu realmente gosto dos objetos - é como música fantasma. Entranhas. Fiz algumas faixas apenas usando os artefatos e outros efeitos interessantes criados pela remoção/reescrita de algoritmos (seja o que for que esteja fazendo, ainda sou muito estúpido para entender completamente).

Moises: Você usou algum instrumento no volume 2? Quais ferramentas você usou?

Sem instrumentos, sem VST. Apenas o Moises e Ableton.

Moises: Você algum dia se apresentará ao vivo ou já se apresentou?

Eu poderia se alguém pudesse fazer um holograma de mim.

Moises: Quais serão seus próximos projetos, algum plano para o volume 3?

Sim, o Spleetercore 3 está em andamento. Está usando o trabalho de 4 artistas especificamente. Todos eles têm algo em comum. Eu não vou revelar o segredo ainda.

Para conferir o álbum e acompanhar a X-Spleet /// Sleetercore, acesse:

Pronto para tocar em outro nível?Comece grátis!